Home » Artigos » Métodos de higienização ambiental, utensílios e equipamentos

Métodos de higienização ambiental, utensílios e equipamentos

Os alimentos podem ser contaminados por contato com superfícies e equipamentos que não estão suficientemente limpos. Microorganismos patogênicos podem se multiplicar em partículas de alimentos de utensílios que não estão adequadamente lavados. È necessário à limpeza adequada dos equipamentos, utensílios e do ambiente, pois o alimento durante a manipulação entra sempre em contato com a mão do homem.

Alguns métodos são utilizados na higiene ambiental, são eles:

  • Utensílios e peças de equipamentos (método físico)

- Lavar bem com água e sabão;

- Enxaguar bem em água corrente;

- Imersão em água fervente por 15 minutos.

Caso não seja possível a desinfecção por calor, deve-se proceder por métodos químicos, seguindo indicação da Organização Mundial de saúde (OMS).

A OMS recomenda a utilização do cloro, pois possui condições adequadas: agente fungicida e bactericida, e quando usado nas concentrações adequadas é de baixa toxicidade.

  • Utensílios, peças de equipamentos, bancadas, pisos, paredes, câmeras e ralos (método químico)

- Lavar bem com água e sabão;

- Enxaguar bem em água corrente (preferencialmente quente);

- Imergir ou banhar por 2 minutos em água clorada a 250ppm.

Depois de lavados, deve-se secar ao ar, em local adequado a fim de evitar a recontaminação. A higiene poderá ser feita em apenas uma operação, no caso de se utilizar detergentes que possuem cloro em sua composição química. Nesse caso, ao aplicar o produto, deixar agir por 10 minutos, em seguida enxaguar bem em água corrente. (SILVA JÚNIOR, 1995)

Higiene dos alimentos

Segundo Silva Júnior (1995), a higiene dos alimentos se caracteriza pelos processos, nos quais os alimentos tornam-se higienicamente adequado ao consumo. Para isso utilizam-se técnicas de calor ou frio, além das técnicas de limpeza e desinfecção.

Higienização correta dos vegetais, legumes e frutas:

  • Preparar um local próprio para higienização, fazendo desinfecção deste local;
  • Lavar os vegetais folhosos folha a folha e os legumes e frutas um a um, em água corrente potável (se bem feita elimina 74% doas sujidades e microorganismos presentes), retirando as partes estragadas e as sujidades;
  • Em seguida imergir os vegetais, frutas ou legumes em solução clorada (entre 150 e 200 ppm de cloro ativo) por um período de 15 minutos;
  • Escorrer os resíduos, retirando as sobrenadantes;
  • Para finalizar deve se enxaguar bem com água corrente potável.

Limpeza e desinfecção

A limpeza é operação de remoção de substâncias minerais e/ou orgânicas desejáveis, tais como terra, poeira, gordura e outras sujidades.

A desinfecção é a operação de redução, por método físico e/ou agente químico, do número de microorganismos em nível que não comprometa a qualidade higiênico-sanitário dos alimentos.

De acordo com Arruda (1998), uma das maneiras para evitar os riscos de contaminação cruzada dos alimentos é a higienização do ambiente. A limpeza e a desinfecção são procedimentos necessários para a higienização ambiental e devem ser realizadas de acordo com a periodicidade e as normas estabelecidas anteriormente. Todas as bancadas, utensílios, equipamentos e área devem ser higienizadas com detergente neutro e enxaguadas com solução clorada a 200ppm de cloro ativo ou álcool á 70° GL, permanecendo no mínimo por 10 minutos.

Para o caso de áreas e equipamentos com grande acúmulo de sujidades é aconselhado à utilização de produto desencrustante com ação de no mínimo 30 minutos. Após a desencrustação deve ocorrer a higienização e enxágüe com detergente neutro e solução clorada, respectivamente. Os produtos de limpeza devem atender a legislação vigente, possuindo registro atualizado no Ministério da Saúde.

Procedimentos e critérios (temperatura e controle de higienização)

A cozinha é o lugar onde os alimentos são submetidos às técnicas de cocção, sem deixar de lado os critérios de segurança sanitária.

Arruda (1998), afirma ainda que a eliminação das formas vegetativas dos microorganismos patogênicos é adquirida através da cocção. Para o autor quando não for possível manter o alimento quente o reaquecimento é recomendado, quando a temperatura do alimento alcançar temperaturas mais baixas que 60ºC antes da distribuição desde que não ultrapasse o critério de tempo, ou seja, o período de 2 (duas) horas. Além disso, os alimentos quentes em espera para distribuição e os que vão ser transportados internamente devem permanecer a uma temperatura maior que 60ºC ou mais baixa que 10ºC.

O tempo também é muito importante no êxito da execução das preparações, pois o mesmo afirma que os alimentos devem ser preparados poucas horas antes do momento de servi-los e que deve existir o monitoramento da validade através de etiquetas datadas.

No ambiente, nos equipamentos e utensílios a higienização deve ser realizado com o uso de detergente neutro e solução clorada a 200(duzentos) ppm de cloro para a desinfecção com duração mínima de 10 minutos. O enxágüe de se feito com água corrente antes da reutilização

Uma das técnicas para a proteção dos alimentos na hora da execução é o filme ou saco plástico igual em toda a sua superfície, durante a espera das etapas de um processo e/ ou no armazenamento.

Referências Bibliográficas

ARRUDA, Drª G.A. Manual De Boas Práticas, v.I Hoteis e Restaurante.2ª Edição. São Paulo; Ponto Crítico, 1998.

BRASIL, Resolução RDC n° 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o regulamento técnico de boas práticas para serviço de alimentação. Diário oficial [da] República Federal do Brasil: Brasília, DF, 16 set. 2004.

SILVA JÚNIOR., Êneo Alves da – Manual de Controle HigiênicoSanitário em Alimentos. São Paulo: Livraria Varela, 2007. 6 ed.

VIALTA, A.; MORENO, I.; VALLE, J.L.E do. Boas práticas de fabricação, higienização e análise perigos e pontos críticos de controle na indústria de laticínios. Belo Horizonte, 2002.

Leia Também


Sobre: Maria Clara

Consultora em Alimentação e Nutrição - Graduada pela universidade Federal do Ceará - UFC. mcnutrir@gmail.com

Gostou deste artigo??? Então torne-se fã do MC Nutrir no Facebook!!!


  1. Ricardo Elias Estevão disse:

    Sou estudante técnico em alimentos do Senai -Uberlândia e gostei muito do artigo.


Deixe seu comenário